Evangelização CEEB / EVANGELIZAÇÃO DE ESPÍRITOS

Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?

Paulo (I Coríntios, 3:16)

Educa e transformarás a irracionalidade em inteligência, a inteligência em humanidade e a humanidade em angelitude. Educa e edificarás o paraíso na Terra.

Emmanuel (Fonte Viva - cap. 30)  


Paulo, o apóstolo, através de sua Epístola, vinha nos esclarecer que trazemos latentes as sementes de todas as virtudes, para que, em desabrochando, possa a Luz Divina brilhar através de nós. Emmanuel, por sua vez, afirma que isso só será possível através da educação. Entretanto, não a educação que visa apenas a instrução, mas a que vê o homem integral, os valores que fazem parte de si mesmo e da vida, ou seja: os valores físicos, intelectuais, sociais, morais e espirituais. Sendo que os valores morais e espirituais deverão orientar os demais, pois precisam ser trabalhados em conjunto, visto fazerem parte do mesmo sistema - a educação.

Pestalozzi já afirmava: "A educação é o desenvolvimento harmônico das potencialidades do homem.” E segundo Leopoldo Machado: "O Espiritismo é obra de educação" porque a ação da Doutrina Espírita sobre o seu adepto, vai induzi-lo a educar-se e a educar o próximo.
(Machado, L. - O Espiritismo é obra de Educação)

Educar vem do latim - "educere" - que significa tirar, extrair (de dentro) alguma coisa. E = fora DUCERE = conduzir - conduzir para fora. Perguntamos então:

1º - Para fora do quê? Como espíritas respondemos: do íntimo, do fundo do espírito imortal, do educando.

2º - Conduzir o quê? As perfeições em estado potencial, que jazem no fundo da alma, aguardando atualização (realização). Processo este, que nada mais é do que a educação vista pela ótica Espírita, ou a emersão de todas as aptidões que Deus depositou no âmago da alma no ato da Criação, cabendo a cada espírita o esforço íntimo de promoção, de autoeducação, de auxiliar o afloramento das perfeições latentes.

Leopoldo Machado, o maior incentivador do trabalho de Evangelização infanto-juvenil das plagas brasileiras, nos disse: "Jesus só quis para si o qualificativo de Mestre, nos ensinou e exemplificou o amor pleno, e seu Evangelho e sua Doutrina são obras de perfeita educação e que por ser o Espiritismo aquele Consolador que o Divino Mestre prometera, não pode deixar de ser a mesma escola de educação que se contém no Cristianismo. Que a educação começada na infância implica a maior garantia de grandeza e difusão de uma doutrina, de um povo e de uma nação.”

Certos dessa realidade, começou o trabalho de Evangelização de Espíritos na Casa de Eurípedes Barsanulfo no ano de 1972. Tudo começou assim: aos domingos, de 15 em 15 dias, teve início o atendimento - médico, dentário, corte de cabelo, noções de higiene etc. - aos carentes sociais.

Seguindo a orientação da própria Doutrina, o exemplo de outras Casas e a sugestão do nosso companheiro Antonio Cavalcante - apoiado pela amiga Leoby Sá Andrade -, e após troca de ideias com os dirigentes e alguns frequentadores, resolveu-se unir as crianças que eram trazidas por seus pais para o atendimento, em um trabalho de Evangelização.  

Vários companheiros aderiram ao trabalho, como Ricardina Teixeira Louzada, Nilce de Lima Barbosa e Fátima Azevedo. Aos poucos as aulas de moral cristã tomaram vulto. As crianças foram divididas em faixas etárias, e como não havia espaço suficiente, era usada também a sala de aula da Tia Leoby, que residia na casa ao lado e lá trabalhava com apoio escolar.
O movimento cresceu mais ainda com a adesão dos jovens, quando então se organizou a "Escola de Evangelização Eurípedes Barsanulfo", tendo à frente a Ricardina como primeira dirigente.

Em 1973 iniciou-se a "Campanha do Quilo" com o auxílio de Suany e Nelson, convidados de outra casa espírita amiga.

Em 1976 foram iniciadas as "Reuniões dos Pais", com estudo de temas específicos.

Em 1977 já havia 104 crianças e jovens, e o trabalho ia crescendo mais e mais, a cada dia.

Hoje, o departamento conta com diversos grupos de evangelização, organizados em diferentes faixas etárias, incluindo os pais:

 

SEGUNDA e QUINTA-FEIRA (no decorrer das palestras)

19h45 às 21h

 

SÁBADO

9h30 às 11h30  Infância, Pré-mocidade e Pais
9h30 às 11h  Núcleo Vila Sapê
14h30 às 16h30  Infância, Pré-mocidade e Pais

 

Desde outubro de 1993, acontece também o trabalho de Evangelização junto ao grupo especial (portadores de deficiências físicas e espirituais) e suas famílias, nos grupos:

Dona Meca (atual Obra Social Dona Meca) (mãe de Eurípedes Barsanulfo) - Crianças até 12 anos

GAPEB (Grupo Assistencial Professor Eurípedes Barsanulfo) - Jovens acima de 12 anos

Encerrando, lembramos trecho da "Carta de Stans" de Pestalozzi – 1799: "Aos meus olhos, o ensino que não abranja todo o Espírito, como exige a educação do homem, e que não seja construído sobre a totalidade viva das relações familiares, conduz apenas a um método artificial de encolhimento de nossa espécie. Toda boa educação exige que o olho materno acompanhe, dentro do lar, a cada dia, a cada hora, toda a mudança no estado de alma de seu filho, lendo-o com segurança nos seus olhos, na sua boca, na sua fronte. E exige essencialmente que a força do educador seja pura força paterna, animada pela presença, em toda a extensão, das circunstâncias familiares."

"O amor é o alicerce mais vigoroso para a construção de uma personalidade sadia, por ser gerador de um comportamento equilibrado, por propiciar a satisfação estética das aspirações e porque emula ao desenvolvimento das faculdades de engrandecimento espiritual que dorme nos tecidos sutis do eu profundo." (Joanna de Angelis - auto-descobrimento - uma busca interior - 2ª edição, 1995)

 

Avante, pois, Pais e Evangelizadores de Espíritos; de todos nós depende a transformação de nosso mundo em Mundo de Regeneração.

Berenice Castro Gonçalves - Junho/2004.